Carta aos Efésios

Efésios é um dos livros do Novo Testamento da Bíblia. Teria sido escrito pelo apóstolo Paulo em Roma como uma carta aos efésios. Foi elaborada no árduo trabalho da bigorna da controvérsia doutrinária ou dos problemas pastorais (como muitas outras epístolas de Paulo). Ao contrário, Efésios transmite a impressão de um rico transbordar de revelação divina, brotando da vida de oração de Paulo. Ele escreveu a carta quando estava prisioneiro por amor ao Cristo (3.1; 4.1; 6.20), provavelmente em Roma. Por isso, é conhecida como uma das quatro cartas chamadas de "Epístolas da Prisão". As outras três são Colossenses, Filipenses e Filemom. Efésios tem muita afinidade com Colossenses, e talvez tenha sido escrita logo após esta. As duas cartas podem ter sido levadas simultaneamente ao seu destino por um cooperador de Paulo, chamado Tíquico (6.21; cf. Cl. 4.7).

É crença geral que Paulo escreveu Efésios também para outras igrejas da região, e não apenas a Éfeso. Possivelmente ele a escreveu como carta circular às igrejas de toda a província da Ásia. Muitos crêem que a carta aos Efésios é a mesma carta aos Laodicenses, mencionada por Paulo em Cl 4.16

I. Introdução Apóstolica:

1.1 Paulo,... Era costume naquele tempo colocar o nome do escritor no início da carta, diferente da forma como fazemos atualmente. (Rom. 1.1; I Cor. 1.1; II Cor. 1.1; Gal. 1.1;Col. 1.1; I Tess. 1.1; II Tess. 1.1; I Tim. 1.1, II Tim. 1.1; Tit. 1.1. Fl. 1) O apóstolo παυλος inicia sua carta com a autoridade de um apóstolo de Cristo Jesus,... (I Co 1.1) שליח ישוע המשיח Esse não era apenas alguém que tinha algo a dizer aos Efésios. Não, de fato, Paulo era um αποστολος ιησου χριστου“apóstolo de Jesus Cristo”, e isso deve ser entendido no sentido mais pleno da palavra apóstolo.[1] Ele recebeu este oficio diretamente de Cristo. As marcas de seu apostolado foram abundantemente evidentes na sua vida e no seu trabalho. Ele pertence a Cristo, e representa-o. Portanto, a mensagem de Paulo aos Efésios é na verdade a própria mensagem de Cristo Jesus. Sua designação como apóstolo para as nações não foi por vontade própria, nem uma mera invenção de alguém que teve um delírio ao meio dia,[2] mas, ao invés disso, sua designação era pela vontade de Deus,... (Gr.: dia thelematos theou) N.T hebr.: ברצון אלהים אל־הקדשים. Paulo está enfatizando o fato de que seu apostolado não estava relacionado com usurpação, autodenominação, ou que ele tivesse sido designado apóstolo por homens. Ele é, de fato, um apóstolo por designação divina, ele foi ordenado apóstolo δια θεληματος θεου, tendo sido posto à parte e qualificado pela vontade Yehowah. A palavra que denomina os meios pelos quais Paulo foi chamado, ocorre cerca de 7 vezes na epístola: Ef. 1:1, 5, 9, 11; 2:3; 5:17; 6:6. Aos santos que estão [em Éfeso]... As palavras “em Efésios” estão em colchetes porque os manuscritos אcABcDVgSyh,p; P 46 א°B° omitem estas palavras. Para saber a respeito do destino da carta queira ver os comentários introdutórios. Todos os cristãos eram chamados de santos (Gr.: hagios) na primitiva congregação cristã. Os que são chamados aqui por Paulo de αγιοις“santos”, são aqueles que Deus pôs à parte para a Sua glória. A palavra αγιοις, ocorre cerca de 15 vezes na epístola em consideração: Ef. 1:1, 4, 13, 15, 18; 2:19, 21; 3:5, 8, 18; 4:12, 30; 5:3, 27; 6:18. Eles são “raça escolhida”“sacerdócio real”“nação santa”“povo para propriedade especial”, para proclamar as Suas excelências. (1 Pedro 2.9). E fiéis com Cristo Jesus:... Esse não é um outro grupo. Os santos e fiéis (Gr.: pistos) formam uma unidade.[3] Isso é evidente no original em que o artigo indefinido não é repedido depois da segunda palavra. Estes são denominados da forma mais desejosa que um servo de Deus poderia ter, eles eram και πιστοις εν χριστω ιησου. Os fieis santos em Éfeso estão εν χριστω ιησου“em Cristo Jesus”, ou seja, eles são o que são pela virtude de sua união com Cristo Jesus. Sem dúvida, essa expressão é a mais importante nesta carta. É em conexão com Cristo que eles recebem “toda benção espiritual” (1.3) Escolhidos antes da fundação do mundo. (1.4-6) Redenção através de seu sangue. (1.7-12) e o certificado ou selo pelo espírito santo como filhos, e, portanto, herdeiros. – 1:13,14.

II. Benção Paulina:


Que tenhais benignidade imerecida... Sobre esta saudação típica nas cartas do apóstolo Paulo queira ver comentários em Romanos cap. 1:7. (cf. Jo. 1.17; Rom. 3.24; I Cor. 1.4) E paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo... Este é o modelo padrão das saudações do N.T. É uma oração para que Deus o Pai – Yehowah – e nosso Senhor Jesus Cristo possam derramar favor e paz sobre os cristãos efésios. O Pai é a fonte destas bênçãos e Jesus Cristo é o único que tem os méritos de “extrair” estas bênçãos para seus discípulos.

Efésios 1:1 — Comentário Reformado

Efésios 1

Paulo tem um imenso desafio diante dele. Ele deve ser um apóstolo - um mensageiro escolhido do Senhor Jesus para os gentios efésios (Ef 1:1a e Ef 1:2a). [1] A cultura deles não é apenas historicamente oposta à mensagem do amor de aliança de Deus, mas o povo da aliança - os judeus - se opõe aos gentios que recebem essa mensagem. Imensas barreiras de diferenças culturais, históricas e raciais confrontam o apóstolo. E o que ele pode fazer sobre isso? Ele está na prisão sob guarda romana. [2] Nós entenderíamos se Paulo simplesmente dissesse: “Eu desisto, Senhor; os obstáculos são maiores que eu. Você apenas terá que encontrar outra pessoa. “No entanto, Paulo se recusa a desistir porque reconhece que sua força para enfrentar os obstáculos está em provisões além dele: a Palavra de Deus e a vontade de Deus.

A Palavra de Deus (1:1)
Quando Paulo diz que é um “apóstolo” de Cristo Jesus, ele está reivindicando ser um mensageiro designado. O termo não é incidental. O Jesus crucificado que é o Cristo - o Ungido dos Judeus, o Messias profetizado há muito tempo, que estava morto, mas ressuscitou e viveu com Deus, o Rei do universo, o Senhor que derrubou Saul no caminho para Damasco para torná-lo uma voz redentora dos gentios do eterno amor de Deus - esse mesmo Jesus Cristo é aquele por quem Paulo foi chamado a falar. Tudo isso significa não apenas que Paulo pertence a Cristo Jesus, mas também que Paulo o representa tão definitivamente que a mensagem de Paulo é a própria mensagem de Cristo. Quando Paulo fala sob a inspiração do Espírito de Deus, o próprio Cristo fala. Quando Paulo fala de graça e paz aos efésios, “Deus, o Pai, e o Senhor Jesus Cristo” estão concedendo sua própria bênção ao povo. O que importa que Paulo esteja na prisão, que suas privações sejam reais e que sua oposição seja grande? Ele fala por Deus, e saber disso o enche de coragem e propósito para os desafios de seu chamado.

Pode-se pensar que o chamado especial de Paulo nega uma confiança semelhante a nós. “Afinal,” pode-se argumentar, “eu não sou apóstolo. Então, o que sua garantia tem a ver comigo? “A resposta é que todos os crentes se beneficiam com seu presente. Pela sabedoria de seu Senhor, Paulo fornece um registro escrito da mensagem de Deus que ainda está disponível para nós. Então, quando falamos fielmente essas verdades, a Palavra de Deus ainda é nossa. Podemos enfrentar oposição, resistência e privação, mas o conhecimento de que Deus ainda está falando conosco e através de nós significa que não somos dependentes de nossa sabedoria ou autoridade. Quer falemos de nossa cultura na arena pública ou de um amigo perdido em uma sala de família nas primeiras horas da manhã, Deus ainda está falando sua verdade através de nós. Não dependemos apenas de nossas palavras. Sua Palavra está aqui para nós, e isso é uma fonte de força quando enfrentamos as limitações de nossos poderes e a imensidão de nossos desafios.

A Vontade de Deus (1:1a)
Não apenas enfrentamos desafios fortalecidos com a Palavra de Deus, mas também com a vontade de Deus. Paulo diz que é apóstolo de Cristo Jesus pela “vontade de Deus” (v. 1b). [3] Contra os grandes desafios que ele enfrenta, essa frase é sua defesa, sua ofensa e sua confiança.

Como o apostolado de Paulo é a vontade de Deus, ele pode defender seu direito de falar. Houve um tempo em que Paulo lançou ameaças contra aqueles que confessavam Jesus como Senhor. Ele segurava as capas daqueles que apedrejavam Stephen. Poderíamos questionar corretamente: “Que direito ele tinha de falar por Deus?” Nenhuma, com base em seus registros. Mas Paulo não é apóstolo por causa de seu registro. Ele é apóstolo por causa da redenção de Cristo. Jesus o corrigiu, reivindicou e o comissionou. Paulo podia muito bem confessar que ele era o maior dos pecadores, mas ainda podia falar por Deus, porque era a vontade de Deus fazer isso.

Que mensagem de conforto também é para nós. Quando outras pessoas que conhecem nossa vida passada questionam que direito temos de falar por Deus - quando conhecem as falhas e falhas de nossa história pessoal, podemos dizer como o apóstolo Paulo: “A minha fala se baseava em minhas ações, então eu não tem o direito de falar. Mas Deus me corrigiu, me reivindicou e me comissionou a falar de si mesmo. Porque Deus quer que eu fale, tenho o direito de falar.”

Mas a vontade de Deus não era apenas a defesa de Paulo de que ele tinha o direito de falar, mas também sua ofensa. Porque seu apostolado é a vontade de Deus, Paulo poderia dizer aos seus ouvintes: “Eu tenho o direito de falar e você tem a responsabilidade de ouvir.” Paulo está prestes a dizer algumas coisas difíceis aos efésios. Ele sabe como é fácil para eles menosprezarem ou ignorarem suas palavras. Mas se o seu falar é a vontade de Deus, todos devem prestar atenção ao que ele diz. Porque o chamado de Paulo é a vontade de Deus, ele tem autoridade.

A vontade de Deus é a defesa de Paulo, sua ofensa e, finalmente, sua confiança. A “vontade de Deus” não apenas dá autoridade a Paulo, mas também cria uma expectativa poderosa nele: “Deus tem um propósito para mim.” Isso é poder. Quando uma pessoa acredita que foi chamada das trevas para a luz por um poder maior do que qualquer desafio que este mundo possa oferecer, então onde outros vêem a oposição de que a pessoa vê oportunidades.

O companheiro de viagem de Paulo, Lucas, dá uma imagem maravilhosa do poder que vem da confiança de que nosso chamado é a vontade de Deus. Lucas registra que Paulo fez milagres extraordinários em sua jornada anterior a Éfeso (Atos 19:11–12). Como resultado, muitas pessoas começaram a crer no Senhor Jesus, confessaram abertamente seus pecados, queimaram seus valiosos rolos de feitiçaria e pararam de comprar ídolos dos ourives. Então um ourives chamado Demétrio convocou seus colegas comerciantes e incitou um tumulto. Ele disse que a mensagem de Paulo estava degradando a deusa Ártemis. A cidade inteira entrou em erupção. Uma multidão enlouquecida apreendeu todos os cristãos que eles puderam encontrar, os arrastou para o teatro da cidade e por duas horas ameaçou a violência, gritando: “Grande é Artemis dos efésios”.

Eu visitei aquele grande teatro de pedra com capacidade para vinte mil pessoas. Ainda hoje, é assustador estar lá e imaginar uma enorme multidão gritando pelo sangue desses novos cristãos. Mas o que Paulo estava fazendo no meio desse grande perigo? Ele estava confiante dizendo: “Deixe-me vê-los agora que estão todos reunidos”. Os amigos de Paul tiveram que impedi-lo de ir diante da multidão. Na providência de Deus, o secretário da cidade disse ao povo que, se não se acalmassem, os romanos viriam e os puniriam pelo tumulto, o que dissolveu a multidão. Mas não duvidamos da confiança de Paulo, que olhou para uma multidão que respirava por seu sangue como uma congregação providencialmente reunida (ver Atos 19:30).

Qual é o efeito de crer que o povo de Deus é escolhido para um propósito divino pela vontade de Deus? Não é simplesmente afirmar que alguns missionários em lugares distantes falam porque acreditam que Deus os chamou para esse fim. Em vez disso, acreditamos que nenhum desafio enfrentado por nós está além do plano de Deus. Quando meu amigo e estudioso do Novo Testamento, Hans Bayer, volta do ministério em áreas economicamente deprimidas da antiga União Soviética, ele fica triste com um desespero avassalador que pode envolver uma cultura inteira. Ainda assim, ele volta a essas áreas repetidas vezes, porque diz que acredita que a Palavra de Deus é real e que ainda é vontade de Deus usar seu povo que acredita em sua Palavra para superar desafios avassaladores.

Podemos enfrentar causas semelhantes de desespero, como décadas de aceitação do aborto em nossa cultura de promiscuidade. No entanto, quando cremos que a Palavra de Deus falou e que é a vontade de Deus usar seu povo para superar os maiores desafios, não apenas ousamos falar - também nos preocupamos em falar. Quando enfrentamos as consequências e a devastação de gerações na pobreza, ainda lutamos pela justiça, porque conhecemos o Salvador a quem servimos ainda se deleita na misericórdia e ministra sua graça por meio dela. Quando enfrentamos descrença, ridículo e longa resistência ao evangelho em nossa própria família, não desistimos por causa da fé que a Palavra de Deus pode estar em nossos lábios. Acreditamos que a vontade de Deus em nos escolher como seus servos é nossa defesa (mesmo que outros conheçam nossa fraqueza), nossa ofensa (mesmo que outros possam dizer que não temos o direito de falar) e nossa confiança (mesmo quando há pouca probabilidade de ocorrer). de mudança da perspectiva humana).

De onde vem essa confiança de que a vontade e a Palavra de Deus nos permitem superar desafios tão avassaladores? O ponto de partida do apóstolo é importante. O próprio Paulo é apóstolo por causa da vontade de Deus (novamente, v. 1a). O que está diante de seus próprios olhos é quão distante e oposto ao evangelho estava seu próprio coração quando Cristo o chamou. A maior testemunha para Paulo do grande poder do evangelho é sua afirmação em seu próprio coração. Quando ele era inimigo de Cristo, Deus o chamou. Quando não havia desejo de buscar Jesus, o Salvador fez deste fariseu dos judeus um apóstolo de Jesus. Paulo foi transferido de um universo para outro, e é claro para ele que isso não era e não poderia ser obra dele, mas, antes, a obra soberana de Deus.

Uma vez, quando eu estava participando de uma reunião da igreja, esse trabalho soberano se tornou aparente para mim. Estávamos enfrentando alguns problemas difíceis que poderiam nos levar ao desespero. Mas no meio de nossas discussões, um homem contou como ele veio a Cristo. Então outro fez o mesmo. Então outro. Um após o outro, mais homens contaram a história de sua salvação. Um contou como ele cresceu em uma família não cristã; outro viveu uma vida dura e rebelde de trinta anos nas forças armadas, rindo de homens de fé; outro reconheceu que seus dias de faculdade eram marcados pelo pecado e pela suposição de que os cristãos eram loucos. Cada um disse que a única explicação para suas novas vidas era que Deus agiu em favor deles e virou seu mundo de cabeça para baixo. Muitos crentes poderiam dizer o mesmo: “Fui envolvido em atividades comerciais. . . preso em uma teia de imoralidade e engano... imerso na filosofia secular... criado em uma família não-cristã... afundando em cinismo e desespero... quando Deus me levantou. “Não há outra explicação. Deus fez algo que não pode ser explicado e ninguém mais poderia providenciar. Deus muda o mundo por sua vontade. É o que Paulo diz, e a afirmação lhe dá confiança diante de seus desafios.

A maior evidência para Paulo do poder da Palavra de Deus e da vontade de vencer uma oposição esmagadora é a obra de Deus em sua própria vida. Seu apostolado não é apenas para atestar as verdades de Deus, é testemunho do poder de Deus - uma mensagem de que a vida pode ser diferente, que a mudança é possível, que os maiores desafios ao evangelho podem ser superados. Paulo se alegra com palavras não muito diferentes das do hino que nos lembra que Deus é “o poder do meu poder”. Paulo começa com esse testemunho porque sabe que os efésios (assim como nós) precisam conhecer a fonte e a força do poder espiritual à luz do que ele deve dizer a seguir.

RECONHECE A FORÇA DA SUA OPOSIÇÃO (1:1B-C)
Paulo afirma a fonte de nossa força, a fim de nos ajudar a reconhecer adequadamente a natureza de nossa oposição. Embora possa parecer avassalador, pode ser superado.

A oposição parece esmagadora (1:1b)
Nossos olhos não fazem a inversão de marcha apropriada na segunda metade do versículo 1, porque não estamos familiarizados com o mundo antigo. Quando Paulo diz que sua carta é para os “santos” em Éfeso, raramente percebemos o significado. [4] Não reconhecemos que, em termos modernos, isso é algo como dizer que sua carta é para os cristãos no Irã ou para os evangélicos que trabalham na MTV. As frases não parecem andar juntas porque os desafios à fé no lugar em que esses crentes vivem são muito fortes.

Éfeso era a quarta ou quinta maior cidade do mundo da época de Paulo. Os números absolutos parecem sobrecarregar qualquer nova mensagem de fé. Um missionário que sobrevoou Calcutá pela primeira vez sentiu uma futilidade semelhante. Ver a enorme massa de humanidade abaixo o fez pensar em que diferença ele poderia fazer na cidade. A única coisa que o fez ficar, disse o missionário, foi a crença de que Deus estava em Calcutá à sua frente. Paulo deve ter tido o mesmo senso da presença e do propósito anteriores de Deus, porque os desafios à fé em Éfeso eram enormes.

Éfeso dominaria não apenas por causa dos números, mas por causa de crenças contrárias. Enquanto você caminha pelas ruínas da cidade hoje, ainda podem ser vistos restos de uma grande estátua do imperador romano Trajano. Trajano governou após o tempo de Paulo, mas a estátua ainda demonstra a atitude dos governantes romanos que Paulo enfrentou. Mostra o pé do imperador no globo do mundo, demonstrando duas coisas: os antigos não ignoravam a forma do mundo, e o domínio romano dominava tanto o mundo antigo que o imperador se retratava como tendo a autoridade de um deus [5]

Paulo não apenas enfrentou a oposição do culto ao imperador romano, mas teve que enfrentar os outros compromissos de culto que haviam conquistado muito mais corações. Éfeso era um grande porto no mar. Ainda hoje, enquanto você caminha pela rua, desde as docas antigas até a cidade, ainda há um sinal gravado em pedra que, segundo os guias, foi usado para direcionar os marinheiros para um bordel. Mas a atração sexual não era meramente para o desvio daqueles que passavam. Relatos antigos e evidências contínuas em meio às ruínas arqueológicas demonstram que a economia e a cultura de toda a região estavam tão atoladas em materialismo, sensualidade e diversões idólatras quanto qualquer cidade moderna.

Éfeso antigo não era mais perverso do que outras cidades. De fato, havia apelos religiosos concorrentes pela retidão moral dos “cidadãos sólidos” da cidade. Mas, quer os esforços fossem reprimir ou explorá-la, a cidade exibia todos os desesperos normais de uma cultura em busca de algo divino. Por exemplo, enquanto você caminha pela rua principal de Éfeso reconstruída hoje, o edifício antigo mais imponente é a biblioteca da cidade. [6] O edifício é um marco não apenas do compromisso dessa cultura com a aprendizagem, mas com a noção grega (adotada na cultura romana) de que a verdadeira iluminação estava prestes a subir para níveis mais altos de conhecimento misterioso - não apenas o conhecimento da filosofia, mas também da experiência (ascética e erótica) ) A cidade e sua cultura circundante eram viciadas em formas de paganismo sofisticadas e sórdidas. E para piorar a situação, a cultura greco-romana era capaz de afirmar que ambos eram religiosamente bons. Os estudiosos modernos debatem o grau de depravação presente em Éfeso, mas não duvidamos das trevas de uma cultura cujos deuses pagãos eram adorados, apesar dos relatos de sua astúcia e perversão.

Para Paulo, dirigir-se aos crentes em Éfeso como “santos”, uma frase de origem judaica que significa “designada” ou “consagrada” (uma frase às vezes reservada aos anjos), seria impensável - até mesmo ofensivo - para os judeus da época. [7] Um comentarista escreve que, com essa terminologia, “Paulo concede a todos os seus ouvintes pagãos um privilégio anteriormente reservado em Israel a servos especiais (especialmente sacerdotais) de Deus”. [8]

Foi incrível se referir àqueles que estavam em Éfeso como “santos”, e talvez também fosse uma extensão da imaginação. Pois como poderia haver “santos” em um lugar onde política, filosofia, economia e religião se entrelaçavam para capturar uma cultura inteira em pecado generalizado? Esta é uma pergunta não apenas para o dia de Paulo. Pois, uma vez que enfrentamos a difusão do pecado à nossa volta e em nós hoje, também podemos nos perguntar se pode haver algum santo onde vivemos.

Pode realmente haver santos, consagrados, em uma cultura de pecado generalizado? Em um nível, a resposta deve ser não. Pois, se o materialismo permeia uma cultura, como podem os cristãos não desviar as prioridades sobre trabalho, dinheiro, tempo e família? Será que uma mãe de filhos pequenos que, ocasionalmente, não se sente vitimada por negar-lhe uma carreira melhor? Se a pornografia nos rodeia, como mesmo aqueles cujos casamentos são saudáveis e cuja moral é correta não podem ser contaminados pela impureza? Em uma cultura religiosa que adora números, riqueza e tamanho, há alguém que não é culpado de pragmatismo por causa do sucesso ou inveja daqueles que aparentemente têm mais do que nós? Numa cultura política convencida de que o poder humano é um caminho para a glória, alguém escapou do desejo de poder? Em uma cultura onde o pecado é difundido, não há ninguém que seja intocado, mas isso não significa que o pecado seja avassalador. Por algumas medidas, nossos desafios sempre parecerão difundidos e avassaladores, mas através do evangelho devemos também perceber que eles podem ser superados.

A oposição pode ser superada (1:1c)
Paulo identifica apenas a localização terrestre desses santos como estando em Éfeso; seu status espiritual ele não ligará a este lugar. Com um paralelismo inteligente no grego original, o apóstolo fala do povo de Deus como “os santos de Éfeso” - apresentando sua localização física; e como “os fiéis em Cristo Jesus” - cumprindo seu status espiritual. [9] Cercados pelo paganismo, eles são seguros em Cristo, não com base em sua consagração, mas com base na fé que os une a Cristo. Aqui, mais uma vez, como costuma acontecer nas epístolas de Paulo, está a maravilhosa afirmação da beleza e dos benefícios de nossa união com Cristo. Embora os problemas nos assaltem e as tentações nos atacem, eles não nos vencem. Continuamos os santos de Deus por causa de nossa união com ele. Novamente, o apóstolo nos afastou de nós mesmos como resposta para os desafios que são maiores que nós. Quando o pecado é generalizado, prevalecemos não por nossa força, mas em virtude do poder consagrado de Deus que é nosso somente pela fé.