Lema da IECB - 2024

 

O REINO DE DEUS

Mt 6.10a; Lc 17.20-21; Zc 14.9  

 

Janeiro – Compreendendo o Reino de Deus (Rm 14.17-20)

 

7. A Manifestação do Reino (Lc 17.20 - 21; Mt 6.5-15

14.  A Trindade e o Reino (Gn 1.26;  Mt 3.13-16) 

21. O Acesso ao Reino (Mt 6.33; Jo 3.1-16; Mc 10.27)

28. Aplicando o Reino de Deus (Hb 12.28; Lc 6.46-49)

 

Fevereiro – O Reino de Deus não é deste mundo (Jo 18.36; Gl 5.19 - 21)

 

4. Por que é a verdade (Rm 1.18-32; Jo 14.6)

11. Por ser guiado pelo Espírito Santo (Gl 5.17; Rm 8.1-16)

18. Por que o mundo não o recebe (Jo 1.11;  Jo 18.33-38)

25. Por que o amigo de Deus é inimigo do mundo (Tg 4.4; Lc 11.14-26)

 

Março – A manifestação do Rei (Jo 12. 14 - 15; Lc 19. 28 - 48)

 

3. Pela encarnação do Verbo (Jo 1.14;  Jo 1.1-12)  

10. E do seu governo (Is 9.7; Dn 2.44-47)

17. E do seu serviço (Mc 10.45; Jo 13.1-17)

24. Na sua humildade (Mt 21.5; Lc 19.28-40)

29. Sexta-feira da paixão – (Jo 19.19; Jo 19.13-24.)

31. No sacrifício (Is 53.7; Mt 28.1-10)

 

 

Abril – As parábolas do Reino (Lc 8. 4 - 8)

 

7. Do Semeador - Ajudam na compreensão (Lc 8.9 – 10; Lc 8.1-15)

14. Do Tesouro escondido - Revelam sua preciosidade (Mt 6.19-21; Mt 13.44 - 46)

21. Do Fermento - Mostram a sua vitalidade (Mt 13.33; Mt 13.31-35)

28. Da Rede - Motivam o engajamento (Mt 13.47-51; Lc 5.1-11)

 

 

Maio – No poder do Espírito Santo (1 Co 1.25; 2.6-16)

 

5. Convence o Mundo da Justiça (João 16.7-11; Pv 21.21

9. Ascensão (Atos 1.6-11)

12. Desenvolver o dom de mãe (Lc 1.35;  Rm 8.12-17)

19. Para realizar a obra (Mt 10.19-20; At 10. 44-48) - Pentecostes

26. Para proclamar a graça (Lc 4.18 - 19; 1 Co 12.7-11)

 

Junho – Os frutos do Reino (Jo 15.1-11)

 João 15:1-11 Nova Versão Internacional - Português (NVI)
― Eu sou a videira verdadeira, e o meu Pai é o agricultor. Ele corta todo ramo que, estando em mim, não der fruto. E poda todo aquele que der fruto, para que dê mais fruto ainda. Vocês já estão limpos, pela palavra que tenho falado. Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Como um ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim vocês também não podem dar fruto se não permanecerem em mim. ― Eu sou a videira, e vocês, os ramos. Se alguém permanecer em mim, e eu permanecer nele, esse dará muito fruto, pois sem mim vocês não podem fazer nada. Se alguém não permanecer em mim, será como o ramo que é jogado fora e seca. Tais ramos são apanhados, lançados ao fogo e queimados. Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês, pedirão o que quiserem, e será concedido. O meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos. ― Como o Pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor. Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos do meu Pai e permaneço no amor dele. Tenho dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa.

 

Dia 2. Justificação (1 Co 6. 9-12; Gn 17.9-14)

1ª CORÍNTIOS 6: 9-12
Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencer a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus. Alguém vai dizer: “Eu posso fazer tudo o que quero.” Pode, sim, mas nem tudo é bom para você. Eu poderia dizer: “Posso fazer qualquer coisa.” Mas não vou deixar que nada me escravize.
 
Gênesis 17.9-14
Deus continuou:  Você, Abraão, será fiel à minha aliança, você e os seus descendentes, para sempre. Pela aliança que estou fazendo com você e com os seus descendentes, todos os homens entre vocês deverão ser circuncidados. A circuncisão servirá como sinal da aliança que há entre mim e vocês. De hoje em diante vocês circuncidarão todos os meninos oito dias depois de nascidos, e também os escravos que nascerem nas casas de vocês, e os que forem comprados de estrangeiros. Tanto uns como outros deverão ser circuncidados, sem falta. Esse será um sinal que vai ficar no seu corpo para mostrar que a minha aliança com vocês é para sempre. Quem não for circuncidado não poderá morar no meio de vocês, pois não respeitou a minha aliança.
 
 
 

“O REINO DE DEUS”

Junho – Os frutos do Reino (Jo 15.1-11)

 Dia 2. Justificação (1 Co 6. 9-12; Gn 17.9-14)

Semana da Justificação. (2-8)

1. Entendendo a Justificação

A justificação é um ato de Deus pelo qual Ele declara o pecador justo, com base na fé em Jesus Cristo.
Em Primeira Coríntios 6.9-12, Paulo adverte contra os comportamentos que impedem a herança do reino de Deus, mas também enfatiza a transformação possível em Cristo: "Vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus" (versículo onze).
Em Romanos cinco, um, Paulo reforça: "Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo."

2. A Necessidade da Justificação

O pecado separa o homem de Deus, conforme Romanos 3.23:

"Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus."

A justificação é necessária porque sem ela, estamos condenados pela nossa própria justiça insuficiente.

Em Efésios 2.8-9, Paulo explica:

"Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie."

3. A Fonte da Justificação

A justificação vem exclusivamente através de Jesus Cristo.

 Em João 14.6, Jesus declara: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim."

Esta justificação é um presente imerecido, resultado da obra redentora de Cristo na cruz. Em Gálatas 2.20, Paulo diz: "Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim."

4. O Papel da Fé na Justificação

A fé é o meio pelo qual recebemos a justificação.
Em Romanos 4.3, Paulo cita Gênesis 15.6: "Abraão creu em Deus, e isso lhe foi creditado como justiça."
A fé é mais do que acreditar em Deus; é confiar plenamente na obra de Cristo para a salvação.
Em Hebreus 11.6, somos lembrados: "Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que ele existe e que recompensa aqueles que o buscam."

5. A Transformação Através da Justificação

A justificação resulta em uma vida transformada.
Em Primeira Coríntios 6.11, Paulo descreve a mudança dos crentes: "Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus."
Em Segunda Coríntios 5.17, ele afirma: "Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!"

6. A Justiça de Cristo Imputada

Na justificação, a justiça de Cristo é imputada ao crente.
Em Segunda Coríntios 5.21, Paulo explica: "Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus."
Isso significa que, ao invés de confiar em nossa própria justiça, dependemos totalmente da perfeita obediência de Cristo.

7. A Paz e a Segurança na Justificação

A justificação traz paz e segurança ao crente.
Em Romanos 8.1, Paulo assegura: "Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus."
Isso nos liberta da culpa e do medo do julgamento, permitindo-nos viver em liberdade e gratidão. Em Filipenses 4.7, ele promete: "E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus."

 

“O REINO DE DEUS”

Junho – Os frutos do Reino (Jo 15.1-11)

 

 

Dia 9. O Ministério da Reconciliação (2 Co 5.11-21; Gn 45. 4-5)

2ª Coríntios 5:11-21

 Sabemos o que quer dizer temer o Senhor e por isso procuramos levar as pessoas à verdade. Deus nos conhece completamente, e espero que no seu coração vocês me conheçam também.
Não estamos querendo nos elogiar a nós mesmos outra vez para vocês. Pelo contrário, queremos lhes dar motivo para terem orgulho de nós a fim de que tenham o que responder aos que se sentem orgulhosos por causa da aparência de uma pessoa e não por causa do que ela é.
Pois, se estamos loucos, é em favor de Deus; e, se temos juízo, é em favor de vocês.
Porque somos dominados pelo amor que Cristo tem por nós, pois reconhecemos que um homem, Jesus Cristo, morreu por todos, o que quer dizer que todos tomam parte na sua morte.
Ele morreu por todos para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas vivam para aquele que morreu e foi ressuscitado para a salvação deles.
Por isso, daqui em diante, não vamos mais usar regras humanas quando julgarmos alguém. E, se antes de nos termos tornado cristãos julgamos Cristo de acordo com regras humanas, agora não fazemos mais isso.
Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.
Tudo isso é feito por Deus, o qual, por meio de Cristo, nos transforma de inimigos em amigos dele. E Deus nos deu a tarefa de fazer com que os outros também sejam amigos dele.
A nossa mensagem é esta: Deus não leva em conta os pecados dos seres humanos e, por meio de Cristo, ele está fazendo com que eles sejam seus amigos. E Deus nos mandou entregar a mensagem que fala da maneira como ele faz com que eles se tornem seus amigos.
Portanto, estamos aqui falando em nome de Cristo, como se o próprio Deus estivesse pedindo por meio de nós. Em nome de Cristo nós pedimos a vocês que deixem que Deus os transforme de inimigos em amigos dele.
Em Cristo não havia pecado. Mas Deus colocou sobre Cristo a culpa dos nossos pecados para que nós, em união com ele, vivamos de acordo com a vontade de Deus.
 

Gênesis 45. 4-5

 E José disse: Cheguem mais perto de mim, por favor. Eles chegaram, e ele continuou: Eu sou o seu irmão José, aquele que vocês venderam a fim de ser trazido para o Egito. Agora não fiquem tristes nem aborrecidos com vocês mesmos por terem me vendido a fim de ser trazido para cá. Foi para salvar vidas que Deus me enviou na frente de vocês.

 

16. Obediência (Jn 3.1-4; Gl 5.22-23)

23. Perseverança (Tg 1.2-4; Rm 5.3-5)

30. Alegria (Ne 8.10b; Jo 15.1-11)

 

Julho – As bem-aventuranças do Reino (Mt 5.1-12)

 

7.  Dos de coração puro (Gn 39.7-12; Sl 51.9-11)

14. Dos que choram (2 Co 7. 9-16; Sl 126. 5-6)

21. Dos perseguidos (2 Co 4.8-9; Sl 91.1-7)

28. Dos misericordiosos (Lc 10.25-37; Sl 136)

 

Agosto – Na Família (Gn 12.1-3)

 

4.  Que provê o ensino da Palavra (Dt 6. 5-9; Pv 22.6)

11. Onde gera unidade (Ml 4.6; Ef 6.1-4)

18. Que constrói um firme fundamento (Mt 7.24-27; At 16.30-32)

25. Que promove o serviço (Jo 8.27- 29; Sl 128)

 

Setembro – O cidadão do Reino (1 Pe 2. 9-10)

 

1. É filho de Deus (Jo 1.12; Sl 15)

8. É submisso ao Pai (Hb 12.8; Mt 5.43-48)

15. Vive o Evangelho (1Co 15.1-5; At 17.11)

22. Assume a sua cidadania (Dn 1.8-9; At 2. 42-47)

29. Aguarda pela pátria celestial (Fp 3.20-21; Hb 11.16-22)

 

Outubro – A expansão do Reino (Lc 9.1-6)

 

6.  Pregai que está próximo o reino dos céus (Mt 10.7; At 8.4-8)

13. Em meio à perseguição  (Atos 8.1-8; Mt 10.22)

20. Fazendo discípulos de todas as nações (Mt 28.18-20; Atos 13.16-26)

27. Confessando Deus diante dos homens (Mt 10.32 - 33; Mt 10.16-22) 

31. Reforma (Ef 2.1-8; Rm 1.16-17)

 

 

Novembro – Onde há vida em abundância (Jo 10. 9-10)

 

3. Dada por Deus (Jo 5.26-34; Gn 1.26; 2.7)

10. Por meio do Filho (Jo 11.25-26; Gn 3.15)

17. Para todo aquele que crê no Filho (Jo 3.16-21; 1Jo 5.5)

24. E vida eterna (1Jo 5.11; Sl 90.1-17)

 

Dezembro – Na consumação (Is 9.6-7)

1. Requer vigilância constante (Mt 24.37-39; 1Ts 5.4-11)

8. Do grande Dia do Senhor (Jl 1.15; 2.1-11)

15. Mantendo-se firmes (2 Tm 2.1-13; Is 26.3-4)

22. Haverá grande alegria e paz (Lc 2.8-20; At 1. 10-11)

25. Natal (Mt 1.18-25; Gl 4.4-6)

29. Terminando bem (2 Tm 4.6-8; Ml 3.13-18)

                                                    

                                                                       Comissão litúrgica – Junho, 2023